segunda-feira, 13 de dezembro de 2010

A hipócrisia dos SOS racistas

A associação criminosa e anti-portuguesa "SOS racismo" celebrou recentemente os seus 20 anos de existência. Uma das novas "bandeiras" dessa sinistra organização é lutar pelo direito de voto dos imigrantes. Em declarações à Lusa, José Falcão afirmou: "Enquanto uma sociedade não permitir que as pessoas que para aqui descontam, trabalham e dão a sua mais valia tenham direito a decidir como todos, não é uma sociedade inclusiva. É por isso que é preciso continuar a lutar."
     Tal tese é simplesmente inaceitável e sem qualquer tipo de justificação racional. O direito de voto e todos os direitos políticos devem ser um exclusivo dos portugueses étnicos (ou portugueses de sangue), de forma a garantir que Portugal continue na posse do seu verdadeiro dono, isto é, o povo português. O mínimo que se deve exigir a um imigrante que venha viver para Portugal é que seja honesto e trabalhador, isto é uma obrigação dos imigrantes, que como estão numa terra estrangeira devem se comportar de forma digna, não é nenhum favor que fazem, até porque os imigrantes supostamente veem para cá com o objectivo de trabalhar e encontrar melhores condições de vida e não para se meter em assuntos políticos (e não só) que apenas dizem respeito aos portugueses de verdade.
     Apenas para se ter uma ideia da completa alienação por parte desses malucos (que é o que são), vejamos uma das pérolas do José Falcão: "a SOS já conseguiu «mudar mentalidades», mas «infelizmente subsistem atitudes racistas e existe um Estado que tem leis racistas e xenófobas." Fica a pergunta de quê forma, o Estado tem leis racistas e xenófobas? Só se for contra os próprios portugueses étnicos, tendo em conta que os traidores que "governam" Portugal promovem um verdadeiro genocídio étnico contra o povo português (já que o multi-culturalismo e a invasão imigrante constitui na prática um genocídio).
        Tal posição, revela a hipócrisia dos activistas do SOS racismo, por um lado incentivam o racismo e a xenofobia, ao defenderem a invasão imigrante e o multi-culturalismo. Visto que o aumento do racismo e da xenofobia em Portugal é uma reacção legítima de auto-defesa dos nativos portugueses perante o multi-culturalismo (genocídio cultural) e a imigração descontrolada (que está literalmente a destruir Portugal, provocando o aumento da criminalidade, desemprego, redução dos salários e destruição da identidade nacional do povo português).  Portanto é contraditório assumir-se contra o racismo e a xenofobia mas ao mesmo tempo defender políticas que provocam o aumento desse tipo de sentimentos (como o multi-culturalismo e a imigração em massa), mas é exactamente isso que os malucos do SOS fazem.
     Uma outra coisa, que os portugueses patriotas se devem acautelar, é do veneno que essa organização racista anti-portuguesa e anti-branca espalha e continua a espalhar nas escolas junto de crianças portuguesas com falta de capacidade argumentativa e uma opinião formada sobre os assuntos abordados, algo que os militantes do SOS racismo se aproveitam para promoverem uma verdadeira lavagem cerebral às crianças, para que estas defendam valores aberrantes como o multi-culturalismo e o anti-nacionalismo.
       Até as várias falácias defendidas pelos pseudo anti-racistas são contraditórias. A maioria dos auto-intitulados anti-racistas, resume a complexidade do ser humano a um esteriotipo de dominações, ou seja, para eles o africano será sempre o eterno oprimido e explorado. Portanto de certa forma, a maioria dos auto-intitulados "anti-racistas" são as pessoas mais racistas que existem...

Sem comentários:

Enviar um comentário