sábado, 2 de janeiro de 2010

A aberração pseudo-cultural do Multi-culturalismo


Hoje em dia, é muito comum, ver mais uma estúpida tentativa de 'estupidificação' e reeducação por parte dos media manipuladores,promovendo um autentico genocídio cultural contra os povos europeus, a que muitos se referem com o eufemismo de "multi-culturalismo". Ser contra o multi-culturalismo não é uma atitude de intolerância para com pessoas de diferentes culturas. Cada Nação tem a sua cultura que tem os seus factores diferenciadores das culturas de outras nações, e que devem ser defendidos e preservados. Principalmente quando se trata dos países europeus que foram sempre tradicionalmente mono-culturais, existiram sempre nos países europeus uma homogeneidade e unidade étnica e cultural, algo que sempre foi bastante importante para manter a coesão e evitar divisões desses países.
Seria engraçado, se não fosse trágico, que não se promova também o "multi-culturalismo" em outras paragens, como no continente africano ou asiático, mas ao que parece devido ao politicamente correcto só os europeus tem a obrigação de promover a tolerância, diversidade e o multi-culturalismo. Algo que a meu ver, se pode tornar bastante perigoso. É certo que não existem aquilo a que podemos chamar de "culturas puras" mas isso não pode ser usado para defender o indefensável, ou seja para promover o 'multi-culturalismo'. Se é certo que as diversas tem diversas influências de outras culturas, o facto é que cada nação tem a sua própria cultura adaptada á sua realidade, pelo que não faz sentido promover culturas alienígenas que nada tem a ver com a cultura nativa de uma determinada região. Sendo assim, o multi-culturalismo provoca invariavelmente a diluição e inclusive a destruição da cultura nativa. Cultura e o multi-culturalismo são duas realidades antagónicas, que nunca se poderão combinar, tal como a água e o azeite.
A Cultura acaba, quando começa o "Multi-Culturalismo".